Outros

Mitos sobre as casas de repouso para idosos

Há um tempo as casas de repouso de idosos tornaram-se um recurso importante para a população, por diversos motivos. A esperança de vida aumentou, a natalidade leva muitos anos, a ser muito baixa e isso está provocando um envelhecimento progressivo da população, com cada vez mais idosos e menos crianças e jovens.

A isto há que acrescentar que, em muitos casos, quando falamos de famílias, tanto o homem como a mulher trabalha e, ao ser pais a partir dos 30 anos , as obrigações são cada vez maiores, mais as responsabilidades e isso aumenta a dificuldade de cuidar de forma eficiente de seus pais.

Muitas vezes, opta-se por procurar uma residência que desempenhe esse papel, mas sempre há dúvidas sobre se é o mais apropriado para os nossos idosos, porque desde há muito tempo vêm se perpetuando alguns mitos sobre elas que não são verdadeiros e que vale a pena comentar, para conhecer um pouco melhor o que é o que acontece na realidade em residências para idosos.

As residências são para aqueles cujas famílias não se preocupam com eles

Como vou deixar, meu pai, minha mãe, a pessoa que me deu a vida, em uma residência, ali abandonada? Isso é o que pensa muita gente, quando baralho a possibilidade de optar por uma residência para o cuidado de seu pai, sua mãe, como se o fato de fazê-lo significasse que não se preocupa com ela.

Bem, tudo depende das alternativas. Se essa pessoa pode ficar em sua casa e é relativamente autônoma, optando por uma cuidadora, sendo os filhos e filhas, aqueles que dão suporte, o ir não a uma residência pode ser simplesmente uma opção. No caso de que a pessoa tenha pouco suporte familiar, porque os filhos não podem, poderia haver mais sentimento de solidão vivendo em sua casa do que em uma residência, onde estaria mais acompanhada e teria mais cuidados em geral.

Com isto queremos dizer, além disso, que em uma residência, ninguém é abandonado. Você está delegando os cuidados em pessoas qualificadas que convivem com as pessoas mais velhas e dar-lhes companhia, diálogo, carinho e recursos para ajudá-los a continuar a ser autónomos, dentro de suas possibilidades. Os familiares, obviamente, podem ir para a residência sempre que quiserem, de forma que o tempo com os pais pode continuar a ser elevado, sem as responsabilidades de cuidados, que talvez por falta de tempo possam ser diminuída por querer fazê-lo em casa.

Nas residências tratam mal os idosos

Nunca se pode colocar a mão no fogo por ninguém, obviamente, mas que haja casos de profissionais com ética duvidosa de forma pontual, não pode fazer-nos pensar que o resto de profissionais terá o mesmo comportamento. Todos conhecemos um professor professora que não é bom para as crianças e nem por isso pensamos que nas escolas se trata-los mal.

A verdade é que as residências têm cada vez mais recursos e cada vez mais especialização, fornecendo cerca de melhores cuidados de saúde, com serviços de nutrição, reabilitação, cabeleireiro, dinamização, etc, que faz com que os nossos idosos tenham cada dia muitas alternativas para cobrir não só suas necessidades básicas, mas também para sentir que têm responsabilidades, coisas importantes para fazer, momentos lúdicos, etc.

Uma vez que você entra, não sais

Acredita-Se também que uma vez que uma pessoa entra em uma residência é para viver já lá seus últimos anos, até sua morte. Não tem por que ser assim. Há modalidades em que uma pessoa entra para dar descanso à família que cuida habitualmente, nos casos em que uma doença crônica se tornou mais agudo e a pessoa requer temporariamente de mais cuidados. Uma vez tudo volta à calma, a pessoa pode voltar para casa.

Além disso, a família sempre tem a última palavra, e, apesar de sua família leva meses, anos, em uma residência, se o desejo de que essa pessoa é voltar para sua casa com a família, que está de acordo com isso, eles tem total liberdade para isso.

Nas residências se vai apagando pouco a pouco

Mais menos temos comentado e nos pontos anteriores. Acredita-Se que as residências de uma pessoa idosa entra, para ir desligando, vítima de tristeza e solidão, até que se murcha”, finalmente. Saber como você vai viver uma pessoa, a sua entrada em uma residência é difícil, claro, mas na maioria dos casos, é mais fácil viver na solidão fora de uma residência que dentro. É, porque não são apenas os profissionais que estão ao cuidado das pessoas, mas também todas as outras pessoas mais velhas que compartilham tempo e espaço.

Lá há tempo e recursos para, não só não apagar”, mas acender novas luzes. Serviços de reabilitação que ajudem a fortalecer o corpo, músculos, articulações. Profissionais especialistas em demências que podem programar atividades para ajudar as pessoas a lembrar, a falar de sua família, a criar novas memórias.

As atividades com que continuar a aprender coisas novas, de lazer, culturais, com novas tarefas e responsabilidades para eles, muito importantes, pois se sabe que quando uma pessoa sente que algo depende dela, sua esperança de vida é ainda maior e os seus últimos anos de mais qualidade , por seguir sentindo-se útil e importante. Em muitos casos, a pessoa está tão bem e tão feliz, que quando tem a possibilidade de voltar a sua casa prefere não fazê-lo.

As residências estão presos, não podem mover-se com liberdade por aí
Muitas vezes, vêem-se as pessoas mais velhas sentadas em cadeiras, com prendedores, em uma cama, do mesmo modo. Isso há de pensar muita gente que muitos idosos estão lá, desse modo, quando em casa teriam liberdade para andar e fazer suas vidas com maior menor sucesso, mas sem estar sujeitos.

A realidade é bem diferente. Há idosos que, por seu estado geral têm esvaziadas de suas capacidades físicas e seus reflexos, as capacidades neurológicas, e deixá-los sentados sem uma fixação seria perigoso, pois poderiam cair. De igual modo, se estão na cama e estão, de algum modo, sujeitos é pelo risco de que se façam dano.

É dizer, os que não podem cuidar de si mesmos, não podem ir por toda parte, simplesmente, porque não podem, como não poderiam nem em seus domicílios, mas daqueles que caminham e se deslocam têm total liberdade para movimentar-se para a residência.

As residências são lugares escuros onde abunda a tristeza

As residências de idosos são, na realidade, lugares muito especiais. Para aqueles que temos a morte distante, que a vemos, desse modo, pode ser difícil pensar em viver lá porque temos ainda muito por fazer. Mas os nossos pais, os nossos maiores, estão em outro momento de vida, e uma residência é um lugar para eles muito diferente. Lá há muitas pessoas em situações semelhantes, há muitos sentimentos flutuando no dia-a-dia.

Pessoas novas que chegam, pessoas que se vão. É viver com pessoas que conhecem bem os maiores, como pensam, como sentem, e que se dedicam a fazer a vida mais fácil. Detalhes como chamá-las pelo seu nome, falar de suas famílias, de coisas importantes que lhes aconteceram no passado, de coisas que vão fazer naquele dia, de coisas que lhes preocupam, fazem com que seja um lugar onde possam sentir-se amados e acompanhados.

De fato, uma residência não é uma prisão, pois ninguém que possa tomar as suas próprias decisões, ele está ali contra a sua vontade.
Aqui podes encontrar e consultar toda a informação que necessita sobre lares e centros de dia.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *